O site de RedCLARA usa cookies para te oferecer a melhor experiência possível na web.

Ao continuar a usar este site, você concorda em que armazenemos e acessemos cookies em seu dispositivo. Por favor, certifique-se de ler a Política de Cookies. Learn more

I understand

Votos do utilizador: 5 / 5

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa

(Comunicado de prensa de la Colaboración Pierre Auger) La Colaboración Pierre Auger anuncia la liberación del 10% de los datos registrados por el mayor detector de rayos cósmicos del mundo. Estos datos se ponen a disposición del público con la esperanza de que sean utilizados por una comunidad amplia, diversa, que incluya profesionales y ciudadanos-científicos. Con estos datos y con la plataforma informática que los soporta se aspira a generar iniciativas educativas y de divulgación. Aunque la Colaboración Auger ya ha publicado datos previamente, la presente publicación es mucho más amplia en cuanto a la cantidad y el tipo de información. Esto los hace muy adecuados tanto para fines educativos como para investigación científica. Se puede acceder a los datos en www.auger.org/opendata [1].

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

No último dia 18 de janeiro, os representantes de LA-CoNGA physics deram as boas-vindas aos setenta estudantes de Colômbia, Equador, Peru e Venezuela, que farão parte do primeiro grupo de cursos de pós-graduação em Física Avançada compatíveis com o modelo de Bolonha da União Europeia. Este projeto ERASMUS+ CBHE cofinanciado pela Comissão Europeia com a participação de universidades dos países citados, instituições universitárias e científicas da Europa, e RedCLARA, tem como compromisso o desenvolvimento de uma oferta colaborativa de aprendizagem especializada, com a participação de 11 universidades da América Latina e da Europa.

Votos do utilizador: 1 / 5

Estrela ativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa

Uma equipe internacional de astrônomos descobriu o quasar mais distante conhecido até hoje. Formado apenas 670 milhões de anos após o Big Bang, o quasar é mil vezes mais luminoso que a Via Láctea e é alimentado pelo primeiro buraco negro supermassivo já mencionado, que pesa mais de 1,6 bilhão de vezes a massa do Sol. Observado há mais de 13 bilhões de anos, este quasar totalmente formado é também o mais antigo conhecido e fornece informações cruciais aos astrônomos sobre a formação de galáxias massivas no Universo primitivo. O resultado foi publicado hoje na reunião de janeiro de 2021 da American Astronomical Society.