O site de RedCLARA usa cookies para te oferecer a melhor experiência possível na web.

Ao continuar a usar este site, você concorda em que armazenemos e acessemos cookies em seu dispositivo. Por favor, certifique-se de ler a Política de Cookies. Learn more

I understand

Luis Eliécer Cadenas, CEO de RedCLARA: “Nossa tarefa nos próximos anos é completar o ecossistema digital de ciência aberta”

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 

Confira o discurso do Diretor Executivo de RedCLARA, Luis Eliécer Cadenas, durante a sessão da Rede de Pesquisa e Educação dos Estados Árabes (ASREN) sobre “Cooperação Científica Árabe para alcançar os ODS da ONU”, realizada virtualmente na quarta-feira, 23 de setembro, na segunda edição da UNGA76 Science Summit, por ocasião da 76ª Assembleia Geral das Nações Unidas, realizada em Nova York com a organização de Intelligence in Science (ISC).

“Quero agradecer aos organizadores deste evento e desta sessão pelo amável convite. Em particular, quero agradecer à rede de educação e pesquisa dos Países Árabes e ao seu diretor por me considerar para este painel. Pretendo centrar a minha participação numa reflexão sobre o papel das redes de investigação e educação na concretização dos objetivos de desenvolvimento sustentável.

Para atingir os objetivos de desenvolvimento sustentável, precisamos da participação efetiva de todos os recursos humanos, científicos e técnicos de que dispomos. As NRENs articulam e auxiliam no desenvolvimento da infraestrutura digital exigida pela ciência moderna. Esta infraestrutura é composta por redes de conectividade dedicadas e seguras com grande largura de banda, integradas com sistemas avançados de informática e armazenamento, e muitos outros serviços essenciais para o bom desenvolvimento da atividade científica.

Todos os países e regiões que lideram o desenvolvimento científico e tecnológico global possuem essas infraestruturas em abundância. É uma pré-condição para poder desenvolver ciência de primeira linha. As infraestruturas existentes no sul global são muito deficientes. Isso coloca esses países em desvantagem sistêmica, impossível de corrigir sem os enormes investimentos em tecnologia digital que são necessários. Se quisermos apoiar de forma efetiva o cumprimento das metas de desenvolvimento sustentável, é fundamental que esses investimentos sejam considerados prioritários.

Esses investimentos são de tal magnitude que exigem a participação e a contribuição de diversos stakeholders: empresas de telecomunicações, bancos multilaterais, agências de cooperação, agências de financiamento da ciência e governos são os principais agentes na criação dessas capacidades. Todos esses atores podem não apenas contribuir, mas também se beneficiar. Em um sistema científico fortalecido pela infraestrutura, a inovação ganha um grande impulso, e esta é a base e o alicerce para o desenvolvimento de novos produtos e serviços. Devemos superar a dicotomia entre fornecedores e consumidores quando se trata de abordar problemas críticos e vitais como mudança climática, redução da pobreza, produção de alimentos e muitos outros.

A cooperação internacional e seus mecanismos de ação também são fundamentais nesse sentido. Na África e na América Latina conseguimos desenvolver infraestruturas especializadas graças a este apoio internacional. No caso da RedCLARA, graças principalmente às contribuições feitas pela Comissão Europeia ao longo dos mais de 17 anos de existência da organização. Graças a esses investimentos, conseguimos construir um ecossistema digital de apoio à ciência que integra produtos e serviços por meio de várias organizações, como o SCALAC, para o fornecimento de recursos de computação, e LA Referencia, a rede de repositórios de acesso aberto da região.

Este ecossistema digital para a ciência aberta ainda não está completo. Nossa tarefa nos próximos anos é completá-lo, para garantir que os investimentos feitos em ciência tenham o maior retorno possível. Com a África, temos grandes semelhanças e a oportunidade de estender essa cooperação entre regiões que enfrentam, com suas diferenças, desafios muito semelhantes. Nossos continentes estão conectados, não apenas por essas semelhanças, mas por meio de infraestrutura. Já temos colaborado em áreas comuns de atuação. Nossa região, por meio da RedCLARA e das redes nacionais, SCALAC, LA Referencia e outras organizações-chave que a constituem, está disposta a fortalecer e fortalecer esses laços de amizade e apoio mútuo. Acredito que temos uma enorme oportunidade de promover o desenvolvimento por meio do conhecimento, espero que todos possamos aproveitar essa oportunidade.”